7 spots inspiracionais em Lisboa

By Jose Damiao Jan 19, 2017

Lisboa é inspiradora. A cidade, a sua arquitectura, a vida - a alma que se sente, e claro, a luz de Lisboa. Mas não só.

7 spots inspiracionais em Lisboa

Para os mais distraídos fica a lista dos locais mais inspiracionais, aqueles que estão todos os dias ao lado de onde passamos. São exposições, sítios, experiências, para fazer repetidamente naqueles momentos em que as ideias não estão a sair. A garantia desta lista é mesmo essa: qualquer um destes lugares vai disparar o botão da criatividade.

1. PIETRO PROSERPIO_ LER DEVAGAR

A sensação é que entramos por momentos num filme italiano, onde se mistura um cientista louco, um contador de histórias charmoso, um realizador de cinema e pequenas máquinas do tempo. Durante cerca de meia hora, Pietro, um italiano a viver em Portugal desde o fim da II Guerra Mundial, brinca com o tempo, o amor, a vida, e as mil máquinas que ele inventou a partir de pequenas peças mecânicas recicladas. Isto tudo, no meio das antigas rotativas da Gráfica Mirandela, no primeiro piso da Livraria Ler Devagar. Saio sempre com dois sorrisos de criança tonta. Sim, o meu, e o de quem convidei a ir - façam isso, é daqueles sítios que a dois, ou em grupo, é ainda mais especial.

2. COLECÇÃO BERARDO _ CCB

O truque é ir a meio de um dia de semana. Vestir a pele de turista e ir, sem pressas nem horários. Entrar pelo CCB, apreciar os detalhes da arquitectura, e devagar, muito devagar, caminhar pelas várias salas da colecção Berardo (o excêntrico empreendedor coleccionador). A exposição permanente mostra obras dos ícones clássicos da pintura, até ao vanguardismo de Andy Warhol. Sim, obras originais, pedaços de história. E ainda há exposições temporárias, com instalações e experiências visuais inesquecíveis. Na ultima visita tive a sorte de ver um filme em 6 ecrãs simultâneos, com 6 pontos de vista da mesma cena. Inspiração pura.

3. MIRADOURO DA SENHORA DO MONTE

Chegar ao miradouro e ver Lisboa a descer até ao rio, é como entrar de repente numa fotografia de postal. Mas ir ao miradouro é isso mesmo: ir e ficar um pouco. Sentar nos bancos de jardim e observar: as pessoas, os turistas, os cadeados na rede com promessas de amor, mas mais importante, cada detalhe do postal. O jogo é tentar identificar cada edifício, cada telhado, localizar o que se vê, perceber a dinâmica da cidade. Acreditem, que o cérebro percebe que existe uma visão estratégica acima do quotidiano. E do postal, de repente, já vão na visão do próximo projecto. Ps: vão meia hora antes do pôr-do-sol.. inolvidável.

4. MAAT_ MUSEU DE ARTE, ARQUITECTURA E TECNOLOGIA

A nova pérola de Lisboa, é mais um misto de espaço e conteúdo. O sucessor do Museu da Electricidade segue a sua tradição, pela qualidade das exposições que tem, com um foco especial no design, com a parceria com a Vitra. Mas só a visita ao edifício já se tornou uma das peregrinações da cidade. E claro, da mais famosa instagram sunset tag do momento. Modas à parte, vale mesmo a pena, subir aquela rampa e ver o Tejo de uma varanda arejada. Mas depois, entrar e interagir com o espaço, os objectos e as inspirações visuais.

5. CHAPITÔ

Era uma vez uma sonhadora que decidiu, fora do tempo, que o circo era a sua forma de vida. Descalçou os sapatos confortáveis, pintou-se de palhaça Teté e criou um mundo de fantasia tão verdadeiro que nos deixa perdidos - onde raio acaba o sério e começa a brincadeira? O Chapitô, que significa tenda de circo em Francês, é simplesmente isso: uma tenda de circo no meio do casario da Costa do Castelo. E mais uma escola de circo, e mais um pátio alfacinha, e mais um restaurante com vista sobre o tejo, e mais o bartô, e mais a tenda propriamente dita: onde de faz teatro circense de pura criatividade, reinventando os clássicos. Do melhor hipsterismo cultural despretensioso.

6. MUDE_ MUSEU DO DESIGN E DA MODA

Nas entranhas de um imponente edifício da baixa pombalina, partiram-se as paredes. e ainda só meio reconstruídas, com reboco à mostra, espalharam-se várias galerias de exposição, um auditório e vários pisos dedicados à história do Design e da Moda. Com uma programação extensa, existe sempre uma conferência, uma talk, ou um workshop para ver, fazer, inspirar. Especialmente para não designers - é um desafio deixado aos teckers, makers, digitalers: misturem inspirações. (nota: o museu está temporariamente encerrado para obras, mas a programação continua com o Mude “fora de portas”)

7. MARTIM MONIZ

Entre a re-criada praça do Martim Moniz e o arranque da Rua da Palma, as nações parecem-se misturar. O lado oriental do globo está ali todo, entre pequenas lojas, cafés, armazéns, carrinhas apinhadas de caixas, pessoas, e o burburinho de muitas línguas que nem sempre percebemos de onde são. Multi-culturalidade absoluta, inspira por momentos sentir que saímos de Lisboa e viajamos por algum lugar distante no mundo. Até jogos de cricket já ali estive a assistir, como quem vê os miúdos a jogar à bola na rua. 

José Damião - Science Park Manager at NOVA MADAN PARQUE