Vai lá e faz!

By Juliano Dias Mar 23, 2017

Se você quer empreender, não olhe só para o óbvio, veja além, pense e faça. Vale a pena tentar!

Vai lá e faz!


Deixei minha esposa e três filhos - um deles com apenas nove meses -, no Brasil e parti para Lisboa, muitos me chamaram de louco (o que já era esperado!), alguns apoiaram e ajudaram com suas conexões, networking, horas de conversas, mentorias e trocas de experiências. 

Aqui começa a maior viagem da minha vida e você, de alguma forma, faz parte dela.

Tudo começou em 15/01/2017 quando enviei um email em nome da minha empresa - BeGraf | The Printplace - para as 101 incubadoras (sim, são muitas em um país tão pequeno como Portugal) acreditadas pelo programa Vale Incubação do Portugal 2020 (programa de crédito para StartUps iniciarem suas atividades). Contei um pouco sobre o que fizemos desde o último Abril, quando abri minha empresa em Recife/Brasil e como, com apenas um estagiário e uma mesa no Impact Hub, conseguimos atingir 3 dígitos de faturamento em 9 meses. Pedi informações sobre os processos de incubação e, em menos de 10 minutos, recebi a primeira resposta, depois disso começaram a chegar emails aos montes e no dia 18 começaram as ligações e reuniões via Skype. Encontrei-me virtualmente com diversos diretores e gerentes destas instituições, dentre tantos, o Pedro Rebordão, diretor do LISPOLIS - Pólo Tecnológico de Lisboa, em uma conversa que não deveria ter mais que 15 minutos mas durou 2 horas! Nos dias seguintes, mais reuniões com outras incubadoras como Beta-i, Village Underground, Fábrica de StartUps, StartUp Sintra e muitas outras. Era madrugada do dia 22 quando tomei a decisão de embarcar para Lisboa dali mais 5 dias com a meta clara de abrir minha empresa, inscrevê-la no Vale Incubação, fazer contatos que pudessem ajudar a desenvolver o negócio e retornar ao Brasil no domingo seguinte, dia 5 de Fevereiro.

Sinceramente, não pensei que seria nem um pouco fácil deixar tudo pra trás e trazer um sonho para um país distante e desconhecido - leia-se: medo a correr nas minhas veias!

Encontrei em Lisboa um ambiente incrível, um ecossistema empreendedor que funciona de maneira fluida, pensado - e muito bem pensado - para que consiga-se tudo o que precisar, de forma simples, rápida e eficiente, como claramente deve ser em países que se preocupam seriamente com o futuro. Abri minha empresa em 45 minutos (no Brasil, seriam cerca de 45... dias!), no mesmo dia assinei os papéis com o contabilista e abri conta bancária. No dia seguinte concluí a inscrição para o Vale Incubação, reuni-me com um grande player do meu mercado (e agora estou a ajudá-los com a implantação de um novo negócio no Brasil). Nos dias seguintes tive a oportunidade de fazer pitches para fundos de investimento e conheci pessoas e empresas incríveis, que fizeram e fazem muito por mim e pelo negócio. Sabe aquela viagem de volta ao Brasil? Foi cancelada, por motivos óbvios.

Fiz muito mais em Lisboa em uma semana que no Brasil em nove meses. Fiquei e cá ainda estou, ainda sem data pra voltar!

Hoje, quase 60 dias após a minha chegada, nosso site (MVP - Minimum Viable Product) será lançado em poucos dias, conseguimos reunir dois Tech Co-Founders, captados no Le Wagon Coding School Lisbon, fomos aprovados no Vale Incubação, temos apoio da APIGRAF (Associação Portuguesa da Indústria Gráfica), participamos do Made of Lisboa (comunidade dos empreendedores de Lisboa), trabalhamos no Beta-i (eles são incríveis!) e no LISPOLIS com sua espetacular estrutura e grande capacidade de conectar pessoas e empresas. Em tão pouco tempo, fizemos muito e com muita qualidade, graças ao ecossistema empreendedor e ao ambiente favorável.

Digo-lhes com segurança que Lisboa hoje é um caldeirão de apoio ao empreendedorismo. Os programas de incentivo do governo estão disponíveis, recebemos o WebSummit, a comunidade está disposta a ajudar (sou prova disto), os eventos sobre empreendedorismo são diários e aos montes e, além de tudo isto, o continente europeu com sua diversidade, estrutura e potencialidade está aí para ser desbravado pelos que acreditam que o impossível é algo que não existe.

Agora estou a trabalhar para desenvolver o negócio em si, com planos de voltar ao Brasil para solicitar meu visto D-2 de imigrante empreendedor (sim, tudo isto foi feito absolutamente dentro da lei, apenas com o visto de turista), trabalhar para gerar tração, testar nosso modelo de negócio e, dando tudo ainda mais certo, trazer a família para viver em um país incrível, seguro, com pessoas inteligentes e dedicadas que vivem suas vidas com a mente no futuro, mesmo com um passado repleto de vitórias.

É com prazer que digo que tomei duas decisões acertadas, a primeira foi vir à Lisboa, a segunda foi cancelar minha volta ao Brasil.

Parabéns a Portugal, à Lisboa e ao seu povo - nativo ou não - pela forma como lidam com as diferenças e como provam no dia a dia que podemos sempre fazer mais e melhor.